Saúde da Mulher 747candida

O que é vaginose bacteriana?

Vaginose Bacteriana - Sintomas, causas, tratamento e diagnóstico
Vaginose bacteriana, também conhecida como bacteriose vaginal, é a causa mais comum de infecção vaginal em mulheres em idade fértil. Ela freqüentemente se desenvolve após a relação sexual com um novo parceiro e é muito raro uma mulher ter essa doença se nunca tiver tido relações sexuais.

A vaginose bacteriana também aumenta o risco de desenvolver uma infecção sexualmente transmissível. No entanto, ela não é considerada uma DST.


Esta infecção vaginal afeta mais comumente as mulheres com idades entre 15 e 44 anos.

Fatos rápidos sobre vaginite bacteriana

    • vaginite bacteriana é a infecção vaginal mais comum entre mulheres de 15 a 44 anos.
    • Os sintomas, se aparecerem, podem incluir coceira e uma secreção cinzenta e aquosa com um cheiro de peixe.
    • A Vaginose bacteriana não tratada pode levar a complicações sérias.
    • O tratamento é normalmente feito com antibióticos .
    • Alguns remédios caseiros são sugeridos, mas qualquer pessoa com sintomas deve consultar um médico.

Sintomas de Vaginose Bacteriana

 

Você pode estar com vaginose bacteriana e não apresentar sintomas. Mas, se houver a ocorrência de sintomas, eles serão: corrimento vaginal, ardor e prurido.

O corrimento vaginal poderá:

  • ser aguado e magro
  • a cor pode ser cinza ou branco
  • tem um cheiro suspeito. É forte e desagradável.

É menos comum, mas também pode ocorrer:

  • sensação de ardor na urina
  • coceira em torno fora da vagina

Entre 50 e 75 % das mulheres com vaginose bacteriana não apresentam sintomas. É especialmente relevante que, embora possa não ser prejudicial por si só, muitas complicações poderão ocorrer.

 

Complicações

As complicações que foram associadas ao BV incluem um risco maior de:

  • Infecção pelo HIV , pois a BV aumenta a suscetibilidade ao vírus
  • DSTs, como o vírus herpes simplex, clamídia , gonorreia e vírus do papiloma humano ( HPV )
  • infecção pós-cirúrgica, por exemplo, depois de uma histerectomia

Possíveis complicações da vaginose bacteriana durante a gravidez incluem:

A corioamnionite aumenta significativamente a chance de um parto precoce. Se o recém-nascido sobreviver, haverá grande risco de paralisia cerebral .

A Vaginose Bacteriana também aumenta o risco de doença inflamatória pélvica, uma infecção e inflamação do trato genital feminino superior que pode ter consequências graves, incluindo infertilidade.



Causas da Vaginose Bacteriana

Vaginose Bacteriana é causada por um desequilíbrio da flora bacteriana natural. Por que isso acontece ainda não está muito claro.

É diferente da candidíase , uma infecção causada por fungos. Ou da Trichomonas vaginalis, ou tricomoníase. Que não são causados ​​por bactérias.

 

O papel das bactérias

Todas as partes do nosso corpo têm bactérias. Mas, enquanto algumas são benéficas, outras são prejudiciais. Quando ocorre um aumento das bactérias prejudiciais, surge o desequilíbrio e, em consequência, surgem também os problemas.

A vagina contém principalmente bactérias benéficas e algumas bactérias nocivas. A vaginose bacteriana vai ocorrer quando as bactérias prejudiciais aumentam numericamente.

Na vagina estão as bactérias chamadas lactobacilos. Estas bactérias produzem ácido láctico, tornando a vagina ligeiramente ácida. Com Isso, impede o desenvolvimento de outras bactérias.

Níveis mais baixos de lactobacilos podem fazer com que a vagina fique menos ácida. A menor acidez na vagina comprometerá o equilíbrio e irá desencadear o desenvolvimento das bactérias nocivas.

 

Fatores de risco

Alguns comportamentos podem aumentar o risco de contrair uma vaginose bacteriana.

Esses comportamentos podem ser:

  • Uso de ducha ou lavando a vagina com alguma solução medicamentosa ou perfumada
  • líquidos antissépticos
  • ter um novo parceiro sexual
  • ter vários parceiros sexuais
  • banhos de espuma perfumados, desodorantes vaginais
  • fumar
  • lavar roupas íntimas com sabão muito forte

Não se pega vaginose bacteriana em assentos sanitários, roupas de cama ou de banho, piscina nem com uso de algum objeto.

 

Tratamento

A vaginose bacteriana pode desaparecer sem tratamento, mas se você apresentar algum sintoma deve procurar tratamento para evitar complicações.

Sem sintomas o tratamento pode não ser necessário. A vaginose bacteriana pode aparecer e desaparecer sem nenhum motivo.

Se houver um corrimento vaginal anormal, é importante consultar um médico assim que possível. Ele pode diagnosticar a doença e descartar outras infecções, como gonorreia ou tricomoníase.

Quando não tratada, as piores complicações ocorrem especialmente durante a gravidez.

Alguns médicos prescrevem tratamento para todas as mulheres que serão submetidas a uma histerectomia antes do procedimento, independentemente delas apresentarem sintomas.

Os parceiros masculinos geralmente não precisam de tratamento, mas podem disseminar a vaginose entre parceiros sexuais femininos.

 

Medicação antibiótica

Os antibióticos são eficazes em até 90% dos casos, mas a vaginose pode voltar em poucas semanas.

O metronidazol é o antibiótico mais comum usado para o tratamento.

 

Os antibióticos orais são normalmente eficazes contra a vaginose bacteriana.

Os tratamentos mais indicados podem ser:

  • Comprimidos: Tomados por via oral, duas vezes por dia, durante 7 dias. É visto como o tratamento mais eficaz e o tratamento preferido se a mulher estiver amamentando ou grávida.
  • Um comprimido único: Tomado por via oral como uma dose única. É mais provável que a vaginose retorne com este tratamento menos eficiente que o de 7 dias.
  • Gel: aplicado na vagina ao deitar durante 5 dias.

O metronidazol reage com o álcool. A combinação pode fazer com que o paciente se sinta muito doente. Por isso, o álcool não deverá ser consumido antes de 48 horas após tratamento.

A clindamicina é um antibiótico alternativo. Pode ser usado se o metronidazol não for eficaz ou se houver recorrência da doença.

O tinidazol é outro antibiótico também usado se o metronidazol não funcionar. É tomado por via oral em dose única. O álcool deve ser evitado ao tomar este medicamento.

 

 

Sintomas recorrentes

Cerca de 30 % das mulheres tratadas terão recorrência dentro de 3 meses e 50 % dentro de 6 meses.

Se o tratamento anterior foi por via oral, o tratamento vaginal pode funcionar melhor e o mesmo ocorre ao contrário.

Se ocorrerem mais de 3 recorrência no período de 12 meses, seu médico poderá prescrever tratamento metronidazol gel vaginal para usar duas vezes por semana durante 3 a 6 meses.

 

Diagnóstico

O médico pode ser capaz de diagnosticar vaginose com a informação dos sintomas e exame físico em busca de um cheiro desagradável e um corrimento fino branco ou cinza.

Se o paciente for sexualmente ativo e houver a possibilidade de uma DST, o médico pode solicitar alguns exames de laboratório.

 

Remédios caseiros

Não se recomenda nenhum tratamento caseiro ou auto-medicação. Mas há indícios de probióticos podem auxiliar.

 

No entanto, devido as complicações sérias que a vaginose pode desencadear, não há nada mais seguro que consultar um médico.

Sobre o autor | Website

Não fique por fora. Deixe seu e-mail para receber dicas e atualizações do blog.

100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!